O breve e tanto Mestre Chico

Mestre Chico - Foto: Davi Mello/Pareia

Mestre Chico é reservado e generoso. É ele que está à frente da Banda Cabaçal Santo Antônio, grupo tradicional que encanta a cidade de Juazeiro do Norte, no Ceará. Não é pifeiro, e sim caixeiro e fazedor de instrumentos, além de brincar no Reisado de Mestre Zé Trovão. Zambumbas e caixas são parte do seu dia-a-dia. Ao chegar em sua casa, na Rua das Flores, o Mestre se encontrara do lado de fora, com amigos tocadores e brincantes, numa prosa leve e sossegada, enquanto fazia uma primorosa zabumba, poderosa, daquelas verde-amarela, que tanto se vê ressoando e colorindo o Cariri.

Conversa vai, conversa vem, e o Mestre, discreto, aos poucos vai revelando muito. Desde o depósito, onde ficam os instrumentos, já feitos, até os materiais e peças, que esperam a hora de se juntar e brincar por aí. Contou histórias antigas, de quando surgiu a banda, em 1983, e mais novas, de quando tocou com os Biano, da Banda de Pífanos de Caruaru, em 2017.

Os seus ofícios ele diz que aprendeu assim, na observação e confiança. Ao contemplar os antigos construtores de instrumentos, um dia decidiu fazer os seus e, com intuição e mão na massa, se determinou e seguiu o caminho. E o mesmo aconteceu na música, onde deixa o recado:

“Se você for fuçando e mexendo aí, você tira qualquer som, pode ser no pife ou na caixa também. É só ir tentando, que a coisa vai. ”

Mestre Chico, da Banda Cabaçal Santo Antônio – Juazeiro do Norte, Cariri, Ceará – 2018.

Encontação contada e vivida pelo Pareia Davi Mello, em sua passagem pelo Cariri Cearense, em janeiro de 2018.